Boa parte de um vasto material recolhido em muitos anos de pesquisas está disponível nesta página para todos os que se interessam em conhecer o futebol e outros esportes a fundo.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Hércules, o “Dinamitador”

Hércules de Miranda, considerado o melhor ponta-esquerda de toda a história do Fluminense Football Club, ganhou com justiça o apelido de “Dinamitador”, devido ao seu chute fortíssimo. O apelido pegou a partir de 1936, quando se consagrou definitivamente no Rio de Janeiro, graças a seus gols de falta. Segundo o cronista esportivo Geraldo Romualdo da Silva, Hércules tinha “um canhão no pé esquerdo e um míssil no direito”. Hércules nasceu em Guaxupé (MG), no dia 2 de julho de 1912 e morreu no Rio de Janeiro, em 3 de setembro de 1982.

Sua carreira começou na várzea paulista, e de 1930 a 1934 ele jogou no Juventus, de onde Paulo Machado de Carvalho o levou para o São Paulo da Floresta. Houve a dissolução do clube e Hércules passou a atuar no Independente, time de exibição em São Paulo, ao lado de Friedenreich, Araken e Orozimbo.

A torcida carioca o viu pela primeira vez no dia 7 de janeiro de 1934, em São Januário, onde cariocas e paulistas decidiam o título brasileiro e ele fez o gol da vitória paulista na prorrogação, depois do empate por 1 x 1 no tempo regulamentar. Como tinha passe livre, foi contratado pelo Fluminense.

A estréia de Hércules no clube carioca se deu no dia 12 de junho de 1935, na vitória sobre a Portuguesa de Desportos por 3 X 1. Para jogar no Fluminense, recebeu 10 contos de réis, uma fortuna na época, e passou a formar um grande elenco com Batatais - Ernesto Santos e Machado – Marcial - Brant e Orozimbo – Sobral - Russo - Gabardo e Vicentini.

Após a Copa do Mundo no Uruguai, os clubes brasileiros começaram a se profissionalizar, e no Fluminense o responsável por este trabalho foi o visionário presidente Oscar Alaor Prata, que trouxe para o time a base da fortíssima seleção paulista.

Em 1936, o elenco contava, entre outros, com o versátil e criativo centroavante Romeu e com o ponta-esquerda Hércules. Neste ano, Flamengo e Fluminense terminaram o Campeonato Carioca empatados em número de pontos e tiveram que decidir o título em uma melhor de três. Após um empate por 2 X 2 no primeiro jogo e uma vitória tricolor por 4 X 1 no segundo, o troféu foi para as Laranjeiras com o resultado de 1 X 1 no terceiro e decisivo confronto.

No ano seguinte, o meio-campista Elba de Pádua Lima, mais conhecido como Tim, chegou como um grande reforço para o grupo, formando um ataque avassalador ao lado de Romeu e Hércules. Inteligente, goleador e com um drible desconcertante, Tim se tornou o destaque do time e um dos maiores jogadores da história do Fluminense. No Estadual de 37, o Tricolor foi campeão com uma campanha irrepreensível: 17 vitórias, quatro empates e apenas uma derrota. Sob a bututa de Tim, a equipe não teve dificuldades para se sagrar tricampeã estadual em 1938.

A seqüência de títulos só foi interrompida em 1939, quando o Flamengo, comandado por Leônidas, venceu o Carioca. Nos dois anos seguintes o Tricolor venceu o torneio estadual. De todas as decisões, a mais famosa aconteceu em 1941, no jogo que ficou marcado como o Fla-Flu da Lagoa. Para à equipe das Laranjeiras bastava o empate para garantir o título. Por isso, os jogadores chutavam a bola para a Lagoa Rodrigo de Freitas. Os remadores do Rubro-Negro tinham que buscá-la de barco, pois não havia bolas para reposição. A tática deu certo. No fim, o empate de 2 X 2 e o bicampeonato conquistado pelo Fluminense.

Hércules vestiu a camisa do tricolor carioca por 176 vezes entre 1935 e 1942, fazendo 164 gols em 176 jogos, uma média de quase um por partida, sendo até os dias de hoje, o quarto maior artilheiro da história do Fluminense. Pelo Fluminense, foi campeão carioca em 1936, 1937, 1938, 1940 e 1941.

O auge de sua carreira aconteceu no tricampeonato de 1936, 37 e 38, quando se tornou o artilheiro absoluto da campanha com 56 gols (23, em 1936; 23, em 1937; e 10, em 1938). Em 1940, foi de novo o artilheiro do time com 12 gols.

Em 1941, teve seu último ano de glória no Fluminense. Foi quando surgiu o jogador Carneiro, que passou a dividir com ele a ponta-esquerda. Em 1942, transferiu-se para o Corinthians paulista, onde jogou ao lado de seu amigo Domingos da Guia, um dos zagueiros que mais trabalho teve para marcá-lo, vindo a encerrar a carreira um ano depois, voltando para o Rio de Janeiro onde exerceu a profissão de corretor imobiliário. Com a camisa corinthiana, Hércules fez 73 partidas e marcou 53 gols.

A sua passagem pelo Fluminense também ficou marcada fora dos gramados. Ele se casou com uma associada branca do clube, o que fez com que a diretoria tricolor proibisse o ingresso de atletas nos quadros sociais da entidade. Os dirigentes diziam que “Hércules tinha de saber qual era o seu lugar - lugar de empregado, lugar de mulato, lugar de crioulo”. Felizmente, Hércules se deu bem na vida e ao pendurar as chuteiras, em 1946, já era dono de casas e terrenos em São Paulo.

Pela Seleção Brasileira, Hércules fez seis partidas e três gols, tendo jogado duas partidas na Copa do Mundo de 1938. Em 1938, Hércules foi à Copa do Mundo, na França. Em sua trajetória de 15 anos pelos gramados, Hércules jogou pelos seguintes clubes: Juventus-SP (1928-1934); São Paulo da Floresta (1935); Fluminense-RJ (1935-1941) e Corinthians Paulista (1942-1943). Foi campeão carioca nos anos de 1936, 1937, 1938, 1940 e 1941. Foi artilheiro do campeonato carioca em 1936. (Pesquisa: Nilo Dias)

(Foto: Acervo do Fluminense F.C.)

Um comentário:

Gaby disse...

Meu Avô, quer mais fotos?